Notícias

24/05/2018 - UOL Notícias / Reuters

Cerca de US$1,2 bi em criptomoeadas foram roubadas desde ano passado, diz grupo


Por: Gertrude Chavez-Dreyfuss

Criminosos roubaram cerca de 1,2 bilhão de dólares em moedas digitais desde o início do ano passado, conforme o crescimento da popularidade do bitcoin e o surgimento de mais de 1.500 criptomoedas pelo mundo colocaram o setor desregulado sob os holofotes, segundo estimativas do Anti-Phishing Working Group (APWG), divulgadas nesta quinta-feira (24).

As estimativas são parte de pesquisa sobre criptomoedas do grupo e incluem dados sobre roubos não declarados.

"Um problema que estamos vendo além da atividade criminal de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro que usa criptomoedas é o roubo dessas moedas pelos bandidos", disse Dave Jevans, presidente da empresa de segurança de moedas digitais, CipherTrace. Jevans também é presidente da APWG.

Do 1,2 bilhão de dólares roubados, Jevans estima que apenas cerca de 20% ou menos que isso foi recuperado, citando que agências governamentais de segurança do mundo estão caçando os ladrões.

Segundo ele, a lei europeia de regulação de proteção de dados, que entra em vigor na sexta-feira e é conhecida como GDPR, pode ser um ponto de apoio para os criminosos.

"A GDPR vai impactar negativamente a segurança geral da Internet e vai ajudar criminosos", disse Jevans. "Ao restringir acesso a informações críticas, a nova lei vai afetar significativamente investigações sobre cibercrime, roubo de moedas, ransonware, malware e outros tipos de fraudes", afirmou ele.

A GDPR foi aprovada em 2016 e tem como objetivo simplificar e consolidar regras que as companhias precisam seguir para protegerem seus dados e darem controle sobre informações pessoais a cidadãos da UE.

A implementação da GDPR significará que a maior parte dos dados sobre domínios na Internet do bloco de países no WHOIS, o banco de dados de registros da Internet, não vai mais ser publicada após 25 de maio. O WHOIS contém nomes, endereços e endereços de email de qualquer um que registre nomes de domínio para sites da Web.

Os dados do WHOIS são fundamentais para investigadores e autoridades que trabalham para combater roubos, disse Jevans.

"O que vamos ver é que não apenas o mercado europeu vai ficar às escuras para todos nós, como também todos os bandidos vão ir para a Europa porque você pode acessar o mundo a partir da Europa e não haverá forma de se conseguir esses dados mais", disse Jevans.



AVISO: O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. A DEALL R&I, divisão do IBRACAF Ltda., não avaliza as informações contidas neste artigo nem se responsabiliza por elas.